Porque incluí Fundos Imobiliários em meus investimentos | Por Sérgio Benáglia

The following two tabs change content below.

Sergio Benaglia

Investidor de fundos imobiliário e ações com foco em dividendos. Investidor de imóveis com foco em ganho de capital e renda. Possui especialização / MBA em Mercado de Capitais e graduação em Finanças.

Porque incluí Fundos Imobiliários em meus investimentos

 

Olá, tudo bem?

 

Neste primeiro post farei uma resumida apresentação pessoal.

 

Antes de mais nada, uma breve introdução:

 

  • Acompanho o mercado financeiro desde 2002 e invisto desde 2005;
  • Sou investidor do setor imobiliário(Imóveis, loteamentos, leilões, aluguéis, etc);
  • Graduado em Gestão Financeira com pós em Mercado de Capitais,
  • Conselheiro Fiscal.

 

Bom, meu caminho foi mais ou menos o seguinte:

 

Sempre busquei por retornos maiores do que aqueles oferecidos pelos investimentos tradicionais em Renda Fixa (acho que todos temos algo em comum aqui, certo!?), foi aí que me deparei com a bolsa de valores e seus atrativos retornos.

 

Descobri o folhainvest em 2002, um simulador da bolsa com um pequeno retardo nas cotações mas que refletiam as decisões de investimento. A partir daí, fui adquirindo conhecimento através de estudos e acompanhamento do mercado. Até então o foco era trade, maioria dos assuntos relacionados à bolsa falavam nisso. Essa fase foi só simulação, pois ainda não dispunha de uma quantia significativa boa para que pudesse aportar uma quantia considerável na Renda variável. Em 2005 iniciei com pequenas quantias.

 

Por volta de Junho de 2007 recebi um valor referente à 1/3 do apartamento onde morava juntamente com minha mãe e meu irmão, Luiz Octávio que é corretor de imóveis em Santos e foi o grande responsável pela minha iniciação no mercado imobiliário.

 

O que acham que eu fiz?

 

Exato! Aportei quase tudo na bolsa em PETR4, já que houve uma queda do seu preço, diga-se de passagem um pico histórico, e ela estava “barata”KKKK(hoje eu consigo rir disso!). Quem não deixava seduzir-se pelas manchetes dos ganhos acima de 3 casas?

 

Pois é, era basicamente o que estudava e acompanhava, as operações especulativas de curto e curtíssimo prazos que te levariam ao estrelato. Enfim, o resultado? Perda de 60% do meu patrimônio. Quase tive um treco, mas seguia nas operações trade tentando ao menos zerar o prejú. Acho que cada minuto no home broker eu perdia uns dias de vida. Mas eu não desistia e não podia ficar nenhum instante off-line, para não perder mais, ou alguma oportunidade que aparecesse(Ah, se eu soubesse que muitas empresas ali eram oportunidades e bastava eu comprar e acompanhá-las…)

 

Essa fase teve um preço social muito caro e isso pesou para minhas escolhas futuras!

 

E assim seguiu a sequência, ascensão na carreira, melhores salários, diversificação de investimentos, ambição, que leva a fome de ganhos e resulta num maior apetite a riscos.

 

Pronto, entrei pra Bolsa! E para as estatísticas também, hehe, dos frustrados com as perdas!

 

Algum tempo depois, Luiz veio com uma oferta de 2 kitnets de um mesmo dono à venda. Como só dispunha de dinheiro para comprar uma unidade, arrumei um sócio e meu irmão corretor se encarregou de fazer a venda casada ao proprietário, o que aumentou nosso poder de barganha.

 

Fechamos negócio! Conseguimos um bom abatimento pois para ambos foi resolvido dois problemas numa tacada só! Coloquei a kit pra temporada e enquanto a bolsa só me dava desgosto, meu imóvel só valorizava sem eu fazer nada, além de me dar renda passiva (dividendos!).

 

Aí as coisas começaram a mudar pra mim. Claro que valores e prioridades pesam muito nas decisões de cada um e não quero defender aqui que meu caminho seja o mais certo, respeito as diversas opiniões divergentes e acho que sempre existem opções melhores(dentro do que cada um estiver disposto), caso contrário, evolução seria riscada de nosso dicionário e vocabulário. Mas minhas escolhas atendem ao que almejei e é isso que desejo passar. O importante é que suas escolhas balizem seu caminho e você alcance os frutos desejados.

 

Percebi que existia vida além do trade e que esta não era a única maneira de superar os investimentos maçantes dos bancos. Mas ainda sentia um apreço muito grande pela bolsa.

 

Daí pra frente larguei as ações de lado e foquei em imóveis. Investi em apartamentos, reformas, terrenos, casas, loteamentos, leilões, tudo que aparecesse e oferecesse um retorno atrativo. Tínhamos um cálculo para cada modalidade, montado a partir de uma análise de risco e critérios bem racionais o que facilitava a decisão entre entrar ou não, porque oportunidades são perecíveis, quase que instantaneamente. Trazendo a experiência do bolsa, cheguei a fazer trades com imóveis.

 

Mas continuava a acompanhar nosso querido IBOV e nossas queridinhas ações, analisando onde tinha errado e o que poderia fazer de melhor. Aí me dei conta das cagadas e pretendo comentá-las futuramente em outros posts, evitando assim que outras pessoas cometam os mesmos erros, pois na bolsa não temos que ser individualistas, onde um ganha, todos ganham no longo prazo.

 

Concluí que poderia trazer dos imóveis algo para o mercado de ações. Alguns imóveis valorizavam-se por seus fundamentos, pela análise feita antes da compra, como por exemplo, localização, construção, vizinhança, encanto do público, etc; e não por análise de gráficos. Além da valorização, alguns rendiam os aluguéis enquanto isso. Logo, passei a olhar com mais interesse o método Buy & Hold (B&H), onde você passa a olhar as ações como sociedade e não especulativamente.

 

Mesmo assim, não era fácil lidar com as enormes volatilidades e a complicada análise dos relatórios e muitos termos que fogem ao nosso conhecimento. Além dos fatores externos e aleatórios imprevisíveis, como os envolvimentos em casos de corrupção que derrubam a imagem, credibilidade e consequentemente, as cotações.

 

Mas, mesmo assim, apesar das extensivas análises e acompanhamentos das empresas que investia, ainda me sobrava mais tempo do que o túnel dos gráficos e a necessidade de conectividade das operações com trades e a pressão do curto prazo!

 

Neste momento voce deve estar se perguntando, e onde entram os Fundos de Investimentos Imobiliários (FII’s) nisso tudo???

 

Papo pro nosso próximo encontro (click aqui e leia a parte 2 desse artigo),

 

Até mais!

Hasta la próxima!

Comentários

Compartilhe!

— A importância dos fundos imobiliários e seu ciclo para a carteira previdenciária | Por Victor Vieira